bebê com maçãs

Alimentação infantil: o que não pode faltar

Olá meninas, hoje temos uma super novidade! A partir de agora a nutricionista Flávia Montanari, especialista em Educação Nutricional e Materno Infantil, é a mais nova colunista do blog. Ela vai trazer pra gente informações atualizadas sobre um assunto que as leitoras sempre nos pedem que é a alimentação infantil.

Nesse primeiro artigo, a nutricionista fala sobre os alimentos e nutrientes mais importantes para garantirmos uma alimentação infantil saudável, equilibrada e variada. Vale a leitura! Com a palavra, Flávia Montanari:

Alimentação infantil: o que não pode faltar

É importante saber que uma alimentação saudável e equilibrada é aquela que contém todos os nutrientes em quantidades adequadas, variada em qualidade, com a finalidade de garantir o perfeito crescimento e desenvolvimento mental da criança, além do bom funcionamento do organismo.

Recomendo fracionar o cardápio das crianças em cinco a seis refeições diárias com intervalo de duas a três horas cada. Nesse contexto, são consideradas como a base de uma alimentação saudável:

  • Variedade: corresponde ao consumo de diversos e variados tipos de alimentos ao longo do dia.
  • Moderação: refere-se ao consumo moderado dos alimentos.
  • Equilíbrio: está ligado aos conceitos de variedade e moderação. Saber o quê e o quanto comer.

Sem dúvida, o sucesso da alimentação infantil saudável está na combinação de carboidrato, proteína, gordura, fibras, vitaminas e minerais, e água, mantendo a qualidade e o balanço dos nutrientes em todas as refeições diárias, desde o café da manhã até a ceia. Dessa forma, são oito grupos de alimentos que devem fazer parte da nossa alimentação diária e nenhum grupo é mais importante que o outro, ou seja, todos são igualmente importantes. Explico aqui cada um desses grupos de alimentos:

Cereais, massas, tubérculos e raízes
São conhecidos como alimentos energéticos, pois fornecem um nutriente chamado carboidrato, responsável por abastecer energia necessária para que o nosso organismo realize atividades como correr e brincar. Devem aparecer em quantidades maiores nas refeições, dando preferência aos carboidratos de origem integral, os chamados carboidratos complexos. Já os carboidratos simples estão presentes no açúcar e no mel.

Legumes, verduras e frutas
São conhecidos como alimentos reguladores, pois fornecem fibras, vitaminas e minerais, e água, os quais são responsáveis pela boa manutenção do organismo, além do desenvolvimento adequado da criança. Devem ser variados, pois existem diferentes fontes de vitaminas e minerais nesse mesmo grupo. Quanto mais colorido, mais nutritivo!

Proteína de origem animal – Leite e derivados
São conhecidos como alimentos construtores, pois fornecem a proteína, um nutriente que tem as suas funções concentradas na formação e reparação dos tecidos e músculos do corpo, além de auxiliarem no crescimento e proteção do organismo contra doenças. As proteínas de origem animal são proteínas de alto valor biológico, importante para realizar funções no corpo sem a “ajuda” de outras proteínas. Os leites e derivados também são fonte de cálcio, o que os torna essencial na formação dos ossos e dentes das crianças.

Proteína de origem animal – Carnes, aves, ovos e peixes
Também são considerados como alimentos construtores e, assim como os leites e derivados, possuem proteína de alto valor biológico. As carnes vermelhas, brancas e miúdos possuem ferro de alta biodisponibilidade e, portanto, previnem a anemia. Dê preferência aos cozidos, grelhados ou assados.

Proteína de origem vegetal – Leguminosas
Também são considerados como alimentos construtores, mas ao contrário da proteína animal, os alimentos fontes de proteína de origem vegetal necessitam se aliar a outras proteínas para cumprir funções no corpo. As leguminosas também fornecem quantidades importantes de ferro não-heme, considerado menos eficiente e que depende das vitaminas C e A para melhorar a sua absorção.

Óleos e gorduras
São conhecidos como alimentos extra energéticos. Ao consumirmos alimentos fontes de gorduras “boas” (ácidos graxos monoinsaturados e poliinsaturados), a gordura irá favorecer a produção de hormônios, o desenvolvimento do cérebro, o auxílio nas funções de algumas vitaminas etc. Entretanto, ao consumirmos em excesso alimentos fontes de gorduras “ruins” (ácidos graxos saturados e insaturados), estes podem contribuir para o aparecimento de doenças cardiovasculares, diabetes, obesidade e hipertensão.

Açúcares e doces
São conhecidos como alimentos extra energéticos, pois os açúcares e doces fornecem carboidrato simples. Assim como as gorduras “ruins”, se consumidos em excesso podem contribuir para o aparecimento de cáries até doenças mais graves, como doenças cardiovasculares, diabetes, obesidade e hipertensão.

Água
Assim como todos os grupos alimentares, a água é essencial para a vida! Ela não fornece energia, mas é responsável pelas funções básicas do organismo: transporta nutrientes, oxigênio e sais minerais; ajuda no controle da temperatura corporal; está presente no funcionamento de todos os sistemas e órgãos; elimina substâncias pela transpiração e urina; e favorece o melhor trânsito intestinal.

Vale lembrar que é o ideal é estimular as crianças a consumirem todos estes diferentes tipos de alimentos, incentivando o consumo de novos sabores, texturas, cores e cheiros. Lembro também que o organismo varia de criança para criança, por isso, para um acompanhamento de crescimento e peso adequados é necessário consultar um médico pediatra e um nutricionista para ser elaborado um plano alimentar ideal para cada criança.


FlaviaMontanariFlávia Montanari
é nutricionista, especialista em Educação Nutricional e Materno Infantil, responsável técnica e diretora administrativa da Pueri Nutri – Consultoria e Assessoria em Nutrição. Em consultório, atende gestantes, crianças e adolescentes, e na cozinha experimental aplica atividades com diversos temas na área da alimentação infantil. Recém-casada e apaixonada por crianças, Flávia acredita que se pode trabalhar o futuro das crianças desde já!

Mamães, gostaram da novidade? Estamos muito felizes em poder contar com a ajuda da querida nutricionista Flávia para reunir mais dicas e informações bacanas sobre nutrição infantil para vocês.

Beijos, da Mamãe Prática Fabi

Foto: Estúdio V

clubeCadastre-se no Clube Mamãe Prática para receber nossos posts e novidades!

2 comentários em “Alimentação infantil: o que não pode faltar”

  1. Estou preocupada com a alimentação do meu filho, não consigo fazer ele tomar água, ele só toma suco de soja, tento dar suco natural, chá, leite, mas ele recusa .
    Ele está com 1 ano e 10 meses, faz 1 mês que parou de mamar no peito.
    Posso continuar a dar o suco de soja?

    1. Olá Marciane. Diversas sociedades médicas e de nutrição NÃO indicam o consumo de bebidas de soja para bebês e crianças. O tema é bastante controverso e diversos especialistas alertam que o consumo dessas bebidas de soja estaria associado à puberdade precoce nas meninas e problemas de desenvolvimento sexual nos meninos. Sobre não tomar água, realmente tomar água é um hábito que precisa ser criado. Veja este post que fizemos com dicas sobre como estimular os pequenos a tomarem mais água: http://mamaepratica3.hospedagemdesites.ws/2015/12/07/estimularfilhobeberagua/
      Espero que ajude! beijos, Mari

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.